natureza

o brilho
brilho enevoado da manhã
a floresta das árvores falantes
o caminho de volta pra casa
onde o ventro frio sopra
planando gentilmente
começou a chover
cruel como você
como o capim cresce?
as árvores ficaram menores
o verão terminou novamente
tá todo mundo dentro
velhos rapazes
um trem rápido
cruze aquela ponte
névoa sobre o lago
esse meu mundo louco
fim do caminho
através do universo
a última nesse lado do mundo
do jeito que já foi
bomba cereja
montanha cheia de luz
fundo e escuro
juntando musgo
jogando tudo fora
todas as cores
só precisamos ir
sabugo de milho
vida em Marte
no meio do nada
cinco solitários anos
sal na ferida
persuasão cristal azul
terra estranha
toque no meu jardim
chuva no sertão
nuvens vermelhas
racha a rocha
um pouco mais perto
só pra ver até quando
não mexa comigo esta noite
a flor quando se abre
alma solitária
tamanho, tempo
no infinito do céu azul
pelos bons tempos
mundo cruel
apenas uma nuvem
rosa e desgrenhado
bebi muito
pra abençoar
curta a vida
os pássaros e as gaivotas
onde a água corre
uma revoada
o tempo passou
a lua parou
emergência no planeta terra
direções são distrações
por um milhão de dias
não sei se vou voltar
esse coqueiro que dá coco
as pessoas do por-do-sol
sobre a tarde
enquanto houver sol
passarinhos de manhã
bem na sua cara
karma camaleão
por trás desses olhos avelã II
montanhas vazias
bananas bananas bananas
brilho na folha da jaca
todos os dias
comemore o feriado
erosão gentil
estação salva-vidas
o céu faz tudo ficar infinito
pela areia afora
de braços abertos
a coisa mais doce
quem vem pra beira do mar
não acredito no que vimos lá fora
navegue navegue
oba oba oba
na poderosa floresta
olhando minha garota nos olhos
balançando o grande tronco cinza
eu vou sobreviver
todo triângulo tem três lados
dou trabalho
meu universo nunca mais será o mesmo
apenas um andarilho
abril meus olhos
vem pra cima de mim
porque rosa é a nova língua
mudo de forma
pássaro novo
assim caminha a humanidade
em algum lugar
eu nunca vi o lado bom da cidade
tentando aprender
não vá dormir esta noite
a árvore tem maçãs
eduque-se
sob a ponte
sempre tem uma montanha
monte marvel
com os olhos fechados
de zero a sessenta
o além de leonard cohen
maçãs_de_prata_e_peras_de_ouro
onde o homem flutua
ao meu redor
procurando respostas
não tem ninguém aqui
se houver uma chance
tudo começou com o big bang
eu nem ligo
raio gama
olá, adeus
esperando por uma chance
cor de bala
nunca encontrei meu caminho de volta
fazenda dos animais
construa outra pirâmide